Quarta-feira
23 de Maio de 2018 - 

Clipping de Noticias

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Newsletter

Contatos

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
22ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Campina...

Máx
25ºC
Min
12ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,65 3,65
EURO 4,30 4,30

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Abandono afetivo de pai não gera indenização

Vínculo familiar foi oficializado após 30 anos. A 30ª Câmara Extraordinária de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença, proferida pelo juiz Marcos de Jesus Gomes, da Vara Única da comarca de Ipuã, que negou pedido de indenização a título de danos morais e materiais por abandono afetivo proposto por homem contra o seu pai. O autor alegou nos autos que o abandono e a rejeição paternal lhe causaram danos morais e materiais. Afirmou, ainda, que o pai sempre resistiu a conviver com ele e contribuir para seu sustento, apesar de ter reconhecido a paternidade. Em contrapartida, o requerido afirmou que desconhecia a existência do filho por longos anos. Segundo o relator do recurso, desembargador Enio Zuliani, em tese, os casos em que o pai rejeita o filho e viola os deveres de cuidado exigidos pelo art. 227, da Constituição Federal são indenizáveis. Entretanto, o magistrado salientou que “a situação dos autos não é propriamente de abandono pelo pai do filho reconhecido, pois não existia filiação declarada até pouco tempo atrás”. “Não é a hipótese do réu que, embora reconhecido pai da recorrente, somente teve o vínculo constituído após cerca de 30 anos e não poderá responder pelo distanciamento que separou os litigantes, inclusive porque lhe faltava o maior predicado da filiação, qual seja, a autoridade paterna”, escreveu Enio Zuliani em sua decisão. “Não houve abandono material, vez que o autor nunca pleiteou pensão alimentícia. Aliás, o próprio apelante salientou que cabia à genitora ter ingressado com tal ação”, completou o desembargador. O julgamento teve votação unânime e contou a participação dos desembargadores Maia da Cunha e Carlos Dias Motta. Apelação nº 3000063-28.2013.8.26.0257
09/02/2018 (00:00)

Contate-nos

Farah, Bittar, Ramos e De Luca - Sociedade de Advogados

Rua Viscondessa de Campinas  244
-  Nova Campinas
 -  Campinas / SP
-  CEP: 13092-135
+55 (19) 3252.2765
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  755858
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.